Móveis d'Arte Canhoto - Trabalho Artesanal -

​Desde de 1954, que os Móveis d’Arte Canhoto, tem como tradição o trabalho artesanal.

Perfilar com raspador, é uma das fases em que o artesão dá alma às diferentes madeiras de forma a comungar num mesmo plano as madeiras do embutido.








​​

As junções são feitas através de vários tipos de encaixe (malhetes, respigas, etc.).

​A mestria do recorte do embutido com a serra de cabelo.

Os nossos embutidos são profundos, têm sempre a espessura de 2,5 milímetros.

Aplainar tecla de Órgão Histórico.

Armação de embutidos para tampo de Mesa D. José (Mesa das Damas).

Gravação em marfim com buril. A imagem é gravada a baixo relevo, depois é espalhada tinta da china.

​Polimento à boneca (chamado também “à Inglesa”) com goma laca. Consiste em espalhar o pó de Pedra-pomes numa boneca de pano de algodão, batendo com ela na superfícies polidas para soltar o pó refinado. A finalidade é auxiliar a tapar os poros da madeira conjuntamente com a goma laca.

A mestria do processo é passar a última bonecada sem deixar rasto da sua passagem.

Pormenor de restauro de gaveta de Contador.

Pormenor de execução de talha.​

Restauro de talha dourada. 

​Aplicação de filete de pau cetim.​

Acabamento cera virgem na Mesa das Damas.​

Nada é deixado ao acaso. A madeira é trabalhada, desde a secagem até ao momento final do acabamento do móvel, com base no conhecimento dos métodos tradicionais.

É com orgulho que o Atelier Móveis d'Arte Canhoto mantém viva uma arte em extinção.ada é deixado ao acaso. A madeira é trabalhada, desde a secagem até ao momento final do acabamento do móvel, com base no conhecimento dos métodos tradicionais.

Tanto na criação como no restauro, são aplicados materiais de excelência.

As madeiras utilizadas são na sua maioria madeiras nobres (como o Pau Santo, Pau Cetim, Mogno etc.) garantindo desta forma uma riqueza artesanal que perdura através de gerações.​

Tanto na criação como no restauro, são aplicados materiais de excelência.

As madeiras utilizadas são na sua maioria madeiras nobres (como o Pau Santo, Pau Cetim, Mogno etc.) garantindo desta forma uma riqueza artesanal que perdura através de gerações.​

A arte de trabalhar a madeira é pelos Mestres do Atelier tratada com carinho e respeito. Este respeito pelos materiais, pelos métodos tradicionais, pela peça em si e por quem a vai adquirir, é a garantia de ter uma obra de um valor patrimonial e artístico elevado e de qualidade comprovada.​